sexta-feira, 31 de julho de 2009

Descobrindo - A Flauta Transversal


----------A FLAUTA TRANSVERSAL - PRIMEIRO CONTATO----------
O músico que toca flauta transversal na orquestra é chamado de flautista. A flauta transversal, apesar de ser feita normalmente de metal, faz parte do naipe das madeiras de uma orquestra e também pode ser chamada, embora menos comum, de flauta germânica ou flauta de Boehm.



A flauta transversal moderna mede aproximadamente 67.30 cm, é afinada em Dó, seu alcance comum é de 3 oitavas (do3 até do6*), possui 16 furos circulares cobertos por chaves (abertas ou fechadas) e é normalmente feito de prata, ouro ou a combinação dos dois. (Uma das flautas mais caras que existem é a fabricada de platinum). Os estudantes normalmente possuem flautas feitas de nickel-prata ou prata-latão com chaves totalmente fechadas para que a posição da mão seja mais conveniente e para que não ocorra, devido à falta habilidade do dedilhado, o vazamento do ar.

A flauta transversal que possui as chaves abertas é de modelo Francês e é muito utilizado por flautistas de nível profissional. A vantagem ter ter uma flauta com chaves abertas, é que ela faz com que os harmônicos, micro-tons e glissandos sejam executados mais facilmente, ajudando na criação de uma maior gama de efeitos sonoros no instrumento. (O curioso é que mesmo assim, na Alemanha, Itália e o Leste Europeu os flautistas profissionais normalmente preferem as chaves fechadas.)

A flauta transversal é formada por 3 peças principais: o bocal, o corpo e o pé.

-O bocal da flauta possui um orifício com bordas formadas por uma chapa de metal em formato arredondado, para permitir que o flautista apóie o lábio inferior e consiga apoiar contra o queixo. O bocal está fechado à esquerda por uma peça com o formato de uma “rolha”feita de cortiço furada ao meio por onde passa um pino rosqueado.
Na extremidade direita (dentro da flauta), o cortiço é soldado por uma placa metálica e na extremidade esquerda ele tem um acabamento em forma de chapeuzinho. Movendo-se o bocal, ajusta-se a afinação da flauta. Apesar da simplicidade exterior, o bocal da flauta é um elemento muito frágil e importante do instrumento. Todos os detalhes da sua construção, local da rolha, vedação, ângulo de soldagem do porta-lábio e formato do orifício determinam a qualidade e precisão do instrumento.

-O corpo é a maior peça da flauta e possui 13 furos com um complexo sistema de chaves. As flautas transversais possuem, em geral, aproximadamente 23 chaves. Esse número pode variar um pouco se a flauta for mais professional

-O é uma extensão do corpo, e conseqüentemente é a menor peça da flauta e possui normalmente 3 furos com apenas 3 ou 4 chaves. Graças a ela é possíveis tocar sons adicionais mais graves.


A flauta transversal, como qualquer outro instrumento, é muito delicada, e ao montar e desmontar é necessário fazer uma limpeza nas peças, para que elas não prejudiquem o som.

*Embora existam flautistas que conseguem fazer do si3 até do7, mas é raramente utilizado e apenas requerido em peças musicas bem avançadas (já que ele requer um controle de respiração e uma técnica de embocadura exata para produzir o som)





------------------O SOM DA FLAUTA TRANSVERSAL------------------
Pode-se dizer que o som da flauta transversal é melodioso, de timbre suave e doce. É uma pena que as flautas transversais de madeira não são tão comuns de encontrar, pois a flauta de metal, apesar de suas vantagens, fez com que a beleza e suavidade particular da flauta de madeira fosse perdida. Era fácil de adivinhar que a evolução do gosto musical iria favorecer ao virtuosismo e som brilhante orquestral e seria o principal responsável por essa mudança tão radical.

O som da flauta com certeza acrescenta às madeiras mais agilidade, timbre brilhante e segurança nos registros mais agudos. O seu som é puro, claro e sereno tem qualidades muito diferentes que as que tinham os seus antecessores. Nenhum instrumento de sopro consegue ser tão virtuoso e ágil como flauta e por isso que as partes de flauta podem ter todos os tipos de escalas rápidas e arpejos.

É importante destacar que não só a agilidade caracteriza um bom flautista, mas também a sua habilidade em produzir um volume de som equilibrado entre os registros e a pureza de seu timbre.

As primeiras quatro notas da flauta (notas mais graves) têm uma sonoridade menos intensa, mais aveludada e “pesada” quando escutado individualmente (mas é facilmente encoberta pelos outros instrumentos nos tuttis orquestrais)

À medida que as notas vão subindo na primeira oitava, o som se torna gradativamente mais brilhante (embora não tão claro e sereno quando os sons da segunda oitava).(Ex: Ma Mere L'oyel de Debussy)

A terceira oitava é brilhante, muito potente, mas não muito estridente. (Ex: Suite Quebra Nozes de Tchaikovsky)
O dó sustenido e o ré mais agudos podem ser considerados como extensões excepcionais do registro da flauta e são normalmente usados só em passagens fortes e também duplicados pelo picollo (é raro encontrar). (Ex: Sinfonia Domestica de Strauss)


No repertório moderno existem muitos solos bonitos de flauta. (Ex: Suite Dafnis e Cloe de Ravel)

Os grandes saltos entre os registros diferentes são característicos do instrumento. [Ex: Ein Heldenleben - (sehr lebhaft) de Strauss]

Passagens fortes no registro agudo necessitam muito ar e é comum os compositores dividirem o tema em duas flautas alternando-as (elas são mais rítmicas do que se tocadas em uníssono)

O ataque duplo ou triplo é muito eficiente na flauta quando é necessário tocar rapidamente diversas notas em stacatto. (Ex: Suite Quebra nozes de Tchaikovsky)
[Audio 1:10]

É ainda comum que as flautas, na orquestra, dobrem a melodia dos violinos, acrescentando-lhes suavidade, brilho e claridade.


-----------------HISTÓRIA DA FLAUTA TRANSVERSAL-----------------

O SURGIMENTO DA FLAUTA

No começo dos tempos, os ventos que sopravam nos bambus criavam sons que permeavam os pensamentos do homem, sendo associados a seres mitológicos, aos espíritos da natureza, anjos e até deuses. Quando o homem dominou o fogo e aprendeu a mantê-lo aceso soprando suavemente através de um caniço, deu-se origem a primeira flauta do mundo (por um grande acaso há aproximadamente 40 mil anos). Com o passar dos anos, os seres humanos passaram a construí-la em ossos da tíbia ou tubos de bambu (para fins ritualísticos ou festivos)

A flauta é um dos instrumentos musicais mais antigos da história e continua em alta no cenário musical, tendo sido sempre muito utilizada, tanto pela sua facilidade de construção, quanto pelo seu som melodioso, de timbre doce e suave.

Inicialmente, a flauta transversal não era tão popular como a flauta doce, mas ela pode ser vista em algumas obras de arte chinesas do sec.IX A.C, nos relevos etruscos do sec. III A.C e na moeda romana em 169 A.C. Depois da queda de Roma, esse tipo de flauta desapareceu da Europa até os sec.X e XI D.C, quando ela foi introduzida na Alemanha (por isso é chamada também de flauta Germânica).

FLAUTA NO PERIODO MEDIEVAL (1000–1400)
Como já disse acima, em todo o século XI, XII e XIII, as flautas transversais eram muito incomuns na Europa. Nesse período a flauta “doce” era mais protuberante. A flauta transversal chegou através da Ásia (Império Bizantino) à Europa e os primeiros países onde ela migrou foram a Alemanha e a França. Ela era chamada de “flautas germânicas” para distinguir dos outros tipos existentes da época (como a flauta doce). Nesse período a flauta, junto com a viola de gambá, foi muito usada em musica da corte e profana e somente era comum na França e na Alemanha e não se espalhou pelo resto da Europa por quase um século.

A primeira aparição literária da flauta transversal foi feita em 1285, pelo poeta e músico frances Adenet le Roi (em uma lista de todos os instrumentos que ele tocava). Depois disso passou-se um período de quase 70 anos com pouquíssimas referencias à flauta.

Apenas no sec. XIV que a flauta transversal começou a aparecer em países não germânicos (alguns textos de poetas franceses da época, como Machaut, mostram que já mencionava-se a flauta transversal: Na Espanha era usado nas cortes espanholas do rei Afonso X e na Itália foi apontada na enciclopédia da época como “falauti alemani che si sonano a mezo el flauto, et non in testa, come si fanno li nostril”, Ou seja:“Flauta alemã que é soprada no lado do instrumento, e não na ponta, como a nossa.” Mais tarde no sec.XVI as flautas transversais já estavam por quase toda a Europa ocidental.)

FLAUTA NO RENASCIMENTO (1400-1600)
A flauta transversal renascentista tinha apenas uma única sessão (parte), seis furos circulares e conseguia produzir sons de até duas oitavas. Eram vistas em três ou quatro tamanhos diferentes e o dedilhado era praticamente igual às flautas doces. Como podemos deduzir, devido aos poucos furos, essa flauta tinha uma gama de som bastante limitada.

Só no começo da década de 1470 que a flauta transversal começou a ganhar popularidade na Europa. As rápidas mudanças culturais na Europa do sec. XV estimularam uma crescente procura de documentos escritos mais baratos e a criação da impressão foi um dos fatores que possivelmente contribuiu para difundir o instrumento (notícias e partituras podiam se espalhar com mais facilidade). Outro fator que pode ter ajudado foi a popularidade do exercito suíço, que passou a usar uma espécie de picollo transversal para sinalização.

Em 1500, as flautas começaram a ser usadas na corte e seus momentos “solos” foram cada vez mais constantes na “música de teatro” (que seria o precursor da “orquestra” moderna). Ao decorrer desse século a flauta passou também a aparecer em alguns conjuntos camerísticos, mas normalmente usada como voz tenor. De qualquer maneira, é bom lembrar que desde o século XVI até no começo do barroco, as flautas transversais variavam muito de tamanho e alcance.

Em 1528, Martin Agricola observou que as flautas eram tocadas mit zitterndem wind (com vibrato). Acredita-se que essa é a citação mais antiga dessa técnica

Em 1554, após ouvir um concerto de música de câmara em Metz, o “marechal” da França, Francois de Scepeaux não conseguia entender porque as flautas eram chamadas de “flautas germânicas”, “car les francais s'en aydent mieulx et plus musicalement que toute aultre nation”, isto é:“Porque os franceses as tocam melhor e são mais musicais do que os outros países”

FLAUTA NO BARROCO (1600 – 1700)
A flauta transversal começou a ser usada cada vez menos, no final do sec. XVII, até que ela foi adaptada mais tarde com algumas melhorias. No barroco ela era muitas vezes chamada de “traverso” (do italiano). A flauta já era feita de três ou até quatro sessões (partes) com furos de tamanhos diferentes (quanto mais para baixo os furos, menores eram), esse design da flauta deu ao instrumento uma gama mais vasta e um som mais penetrante, sem sacrificar a suavidade e a qualidade expressiva.
Além de ser usado na musica de câmara, a flauta transversal passou a ser usado em obras orquestrais, óperas e ballets (principalmente no fim do barroco). Com isso, os compositores finalmente passaram a escrever muitas músicas, principalmente “solo”, para a flauta (Ex: Quantz, Bach, Teleman, Vivaldi, Handel).

Em 1707, o compositor e flautista Frances Jacques Martin Hotteterre (irmão mais velho do “criador” do oboé moderno: Jean Hotteterre), escreveu o primeiro livro-método de flauta transversal chamado “Principes de la flute transversiere.”

FLAUTA NO CLASSICISMO (1700 – 1800)
Nesse período começam a se formar as primeiras orquestras, a flauta ganhou “força” e favoritismo e acabou sendo um dos membros de destaque em sinfonias e concertos. Durante todo século, o interesse na flauta só aumentava e teve seu auge na metade do sec. XIX. Nesse período muitas novas chaves foram adicionadas, principalmente para reforçar o registro inferior.

FLAUTA NO ROMANTISMO(1800 – 1900)
No romantismo, foi criada pelo músico, compositor, pesquisados de instrumentos e engenheiro Theobald Boehm (1794-1881) a flauta de prata. As flautas que são usadas hoje em dia pelo mundo são todas com base no instrumento criado em 1847 por Boehm. Ele foi a primeira pessoa a acreditar que os furos das flautas tinham que ser “focadas” em um sistema acústico e não a facilidade de dedilhado do flautista (graças a isso, ele criou meticulosamente um complexo sistema de hastes e chaves que iriam juntar os furos colocados de uma maneira acusticamente positiva à facilidade de dedilhado para o flautista)

As suas mudanças não foram apenas uma “evolução”, mas sim uma “revolução e seu resultado foi quase como um instrumento completamente novo. Em fato, foi contestado no começo por algumas personalidades da época, que a flauta de Boehm era diferente e que não tinha mais o charme ou efeito da “verdadeira flauta”. A reação das pessoas era muito variada e tiveram muitos lugares onde a nova flauta teve “resistência” por alguns indivíduos. Devido a isso, ela perdeu um pouco a sua “importância” na orquestra, formada com muito mais metais e cordas. No entanto, elas foram pouco a pouco ganhando importância pela Europa ao decorrer do século e apenas no começo de 1900 começou a “viver” seus momentos de “glória”.

Logicamente a mudança da nova flauta não aconteceu do dia para a noite. Boehm teve de fazer diversos experimentos em outras flautas que duraram muitos anos. Ele foi livremente incorporando a mecânica disponível e idéias acústicas novas, mas apenas Boehm que tinha coragem de começar do zero o sistema antigo e criar um novo (como podemos ver, ser engenheiro e saber como produzir algo foi crucial para isso).

Vou contar um pouco da trajetória das flautas de Boehm:

-A primeira flauta de Boehm - 1810
A primeira flauta de Boehm possuía furos pequenos, 4 chaves e foi criada em 1810. O sistema das flautas era simples e faziam com que seu som fosse mais ágil e “leve”. As notas agudas eram mais brilhantes e fáceis de serem tocadas (se comparadas com as flautas francesas da época). Ele compôs muitas musicas virtuosas para o instrumento e executava-as na sua nova flauta. Ex :Opus 4, Variations on Nel cor più,
Boehm estava contente com a sua flauta de sistema simples, mas ele estava ciente de algumas deficiências dela: A desigualdade de tons, dificuldade ocasional de entonação e falta de volume sonoro. (A falta de volume sonoro é o que mais encomodava.)

Um episódio que aconteceu em 1831 deixa claro isso: Boehm foi fazer um concerto em Londres, e os críticos que o assistiram criticaram o seu som, em comparação com ao virtuoso flautista inglês Charles Nicholson, que tinha o som “parecido com a de um órgão” (segundo críticos da época).

Em uma carta em 1871 para J.S Broadwood, Boehm escreveu “Eu fiz tudo o que qualquer flautista continental poderia ter feito, em Londres, em 1831, mas eu não consegui corresponder Nicholson em relação ao som, esse foi o que me levou a trabalhar novamente e remodelar minha flauta. Se eu não tivesse ouvido ele tocando, provavelmente a flauta de hoje em dia jamais seria feita”. (A flauta de Nicholson tinha 8 chaves e furos largos, o que resultava em um som maior, mas esse tipo de flauta requeria uma embocadura e técnica muito difícil para conseguir controlar a desigualdade dos tons e a afinação).

-A flauta cônica de Boehm - 1832
A nova flauta de Boehm (flauta cônica) possuía 14 furos e ele optou por implementar o máximo possível de chaves “abertas”,largas e uniformes, fazendo com que o som fosse mais rico, uniforme e potente. Essas idéias já existiam na época mas ninguém tinha conseguido até então construir um instrumento que tivesse essas características e fosse “tocável”.
Como Boehm ainda não estava completamente satisfeito com a flauta cônica (as músicas requeriam uma gama de 3 oitavas e a afinação na 3ª oitava não era sempre mais alta e ele tinha vontade de ampliar a sonoridade nos graves) ele resolveu então melhorar a flauta cônica e em 1847 criou a flauta que todos nós conhecemos hoje em dia: a flauta cilíndrica de metal.

A flauta cilíndrica de Boehm - 1847
As principais diferenças da flauta cilíndrica eram que os furos podiam ter o mesmo tamanho e ser mais largos (eram tão largas que não eram tão facilmente cobertas pelos dedos). A afinação era mais flexível, mas era muito mais rica do que a flauta cônica, especialmente nos registros mais graves. Os primeiros modelos ainda usavam chaves abertas, mas logo ele percebeu que era melhor cobrir todos os buracos com chaves solidas. (Conforme os furos vão se distanciando da embocadura eles têm uma distancia relativamente maior entre eles. Isso pode ser visto na imagem)

Quando as flautas cilíndricas foram introduzidas em 1847, rapidamente foram adotadas pelos flautistas que utilizavam a flauta cônica de Boehm, mas flautas cônicas continuaram a ser feitas e tocadas, já que alguns achavam que a flauta cilindrica “soava como um trompete” (as cônicas tendiam a ter um som mais doce e suave). Em menos de 20 anos de existência, a flauta cilíndrica ganhou lugar no conservatório de Paris.

Outros países como a Inglaterra, acabaram por fazer “variantes” da flauta de Boehm e esses países foram muito criticados por alemães e franceses (que eram considerados “leais” ao modelo de Boehm). Na Itália, por exemplo, existiam, em 1900, alguns lugares onde a flauta de Boehm não era comum (ex: Em 1907 o flautista Leonardo de Lorenzo foi estudar com um maestro no conservatório de Napoles, e ele pediu para ele tocar essa “flauta moderna” que ele nunca tinha visto antes)

A flautas cilíndricas, em 1889 eram raramente encontradas na Alemanha. Ela chegou a ser adotada pelo grande flautista alemão Rudolph Tillmetz (aluno de Boehm), mas foi logo criticada por Richard Wagner depois da primeira execução do “Parsifal” em 1882. Wagner (que não queria que os instrumentos de sopro tivessem uma sonoridade potente) criticou o som da flauta cilíndrica de Tillmetz e disse que ela “soava como um canhão”. Essa crítica fez com que Tillmetz elogiasse o som charmoso da flauta cônica e os trillos elegantes que era possível fazer com ela. Isso alavancou a popularidade da flauta cônica (que era considerada por muitos a mais adequada e melhor adaptada principalmente à musica de câmara)

O começo do sec.XIX é marcado pela grande variedade e designs de flauta, muitas delas, cônicas, faziam do instrumento um som penetrante e era muito usado em Viena. As flautas inglesas tinha uma gama abaixo do dó e era melhor tocado em chaves de bemóis. A flauta francesa tinha um som mais suave. A flauta alemã era a melhor entre elas com orquestra.

FLAUTA NO PERÍODO MODERNO(1900 – 2009)
Com a nova possibilidade de gravação de som (criada em 1890), as gravações de flauta se tornaram comum entre os flautistas profissionais e as flautas de prata começaram realmente a ganhar “força” e favoritismo. (que não era visto desde período do classicismo). O século XX foi marcado pelas primeiras gravações de música barroca em flautas modernas.

A fabricante de flauta de Boston chamada Wm.S.Haynes fabricava, em 1905, 1 flauta de prata para cada 100 flautas de madeira produzidas. A mesma fabricante fabricava, em 1930, 1 flauta de madeira para cada 100 flautas de prata . Muito disso se deve aos compositores da época como Debussy, que apoiavam o uso da flauta de prata de Boehm.
Hoje em dia a flauta transversal de prata é mais popular e utilizada na maioria das orquestras do mundo.

A flauta foi muito modificada no sec XX (Na década de 1950, Albert Cooper modificou a flauta de Boehm para que a música contemporânea fosse mais fácil de ser executada. Na década de 1980, Johan Brögger modificou a flauta de Boehm-Cooper transformando-o em um som mais melódico entre outras coisas. Na década de 1990, Eva Kingma desenvolveu uma flauta, com base na de Boehm, que é muito usado no jazz e música do leste Europeu, que permitia facilmente a utilização de micro-tons e harmônicos.

No começo de 1970, também foi criado modelos de flauta alto e flauta baixa (criada especialmente para músicas modernas e conjuntos de flautas).



----------------SUA ATUAÇÃO NA ORQUESTRA------------------
Dentro de uma orquestra sinfônica, há, geralmente, dois ou três flautistas no naipe. Os flautistas ficam numa espécie de “núcleo da orquestra” onde se encontram os principais instrumentos das Madeiras (Oboé, Clarinete, Fagote e Flauta), já que os solos de uma melodia muitas vezes é confiados a eles.



--------------A FAMÍLIA DA FLAUTA TRANSVERSAL------------
Do mais agudo para o mais grave, e em comparação com a flauta transversal, os membros da sua família:
-Piccolo em Dó ou Ré♭ (1 oitava acima) ***
• - Treble em Sol *
• -Flauta Soprano em Mi♭ *
• - Flauta Tranversal ***
• -Flûte d'amour/flauta tenor em si♭ ou Lá *
• -Flauta Alto em Sol ***
• -Flauta Baixa em C (1 oitava abaixo) ***
• -Flauta Contralto em Sol **
• -Flauta Contrabaixo em Dó (2 oitavas abaixo) **
• -Flauta Sub-Contrabaixo em Sol **
• -Flauta Sub-Contrabaixo em Dó (3 oitavas abaixo) **
• - Flauta Hiper-baixo em Dó (4 oitavas abaixo) **

• *Flautas pouco comuns
• **Flautas pouco comuns e criadas apenas no sec. XX
• ***Flautas normalmente utilizadas em uma orquestra



-----------------CURIOSIDADES------------------
- As flautas transversais eram feitas em sua maioria de madeira até o começo do sec XX)

- Flauta de Prata ou Ouro? Acredita-se que as flautas de prata criam um som mais brilhante enquanto as de ouro um som mais escuro e definido mas podem ser mais difíceis de tocar, pois requerem uma maior técnica de respiração. De qualquer maneira, essa idéia de que diferentes materiais afetam a qualidade do som é contestada, pois o material de construção da flauta faz menos diferença no som d0o que dois diferentes flautistas tocando a mesma flauta.

-Em momentos de tutti orquestrais, pode acontecer de a flauta “sumir” em meio aos sons, pois o seu timbre, por ser fluido, mistura-se com os outros instrumentos.

-A flauta sempre foi um instrumento muito privilegiado no que se diz respeito a recursos e ornamentos. Grande partes dos rescursos musicalmente conhecidos são executáveis na flauta. Ex: Vibrato; Glissando; Harmônicos; Beatboxing (tocar uma melodia e fazer beatboxing ao mesmo tempo – veja o vídeo aqui); Multifonia (solfejar e tocar ao mesmo tempo); Frullato (Pronunciar a letra “R” enquanto toca); Polifonia ou Nota Dupla (técnica moderna sobre notas com dedilhados especiais que podem soar dois sons harmônicos); Trinados; Trêmolos; Mordentes; Staccatos e legatos

- As chaves pequenas de trilo permitem a rapida alteração entre duas notas e dedilhados usando essas chaves permitem flautistas habilidosos a ter um aolcance de 4 oitavas!

-Para preservar a qualidade da flauta de madeira e moderna ao mesmo tempo, existem flautistas que usam flautas de madeira com a cabeça feita de prata.

- A flauta tinha, como toda música primitiva, um papel mágico. Ela foi usada para acompanhar os rituais religiosos. Algumas culturas proibiam o uso das flautas pelas crianças e as mulheres sob pena de morte. No Xingu brasileiro temos ainda hoje um exemplo disto.

-Aristóteles disse: “Nos escutamos uma canção na flauta com mais prazer do que na lira, pois o canto da voz humana e a flauta se misturam bem por causa da suas correspondência e simpatia, um e o outro se animam pelo vento”.


---------------A FLAUTA EM OUTROS GÊNEROS---------------
É possível encontrar a flauta em diversos estilos de músicas (jazz, rock). Já se foi o tempo em que instrumentos clássicos, como a flauta ou um sax, só apareciam em composições clássicas. É totalmente possível encontrá-los em estilos bem diferentes dos clássicos.

No jazz mais antigo as flauta eram raramente utilizadas. Desde 1950 um numero notável de interpretes usaram a flauta no jazz. Já que o dedilhado criado por Boehm é usado tanto no saxophone quanto nas flautas transversais, é comum a flauta dobrar a parte do saxofone em formações menores e alguns saxofonistas pegam a flauta como segundo instrumento, e vice e versa.

17 comentários:

  1. Muito legal, gostei bastante, uma curiosidade, segundo Paul Griffits em sua Música Moderna, a frase musical que inaugura a música moderna é o solo fara flauta no início do prelúdio "A tarde de um fauno" Debussy.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. tudo que estava procurando eu achei aki...parabens para quem criou..!!vlw...

    ResponderExcluir
  3. Realmente, a música ''fragmentária'' de Debussy, do ''Prelude a l'Après midi...'', encerra o período Narrativo-Dialético, com aquele solo de flauta histórico e abre caminho para a música moderna.
    Agora não tem nada tão maravilhoso como o som de um TRAVERSO, a Flauta Barroca.Bartold Kuijken , Frans Brüggen, Janet See, Marc Hantai...

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigada por estas informações tão preciosas, parabéns!

    Claudia Borges

    ResponderExcluir
  5. Nossa amei, eu etrei nessa área de música a pouco tempo, estou aprendendo a tocar flauta transversal e esse artigo me ajudou muito a conhecer melhor o istrumento, muito obrigada !

    Natália Lima

    ResponderExcluir
  6. Opa, tudo bem?
    Caso você queira adicionar como exemplo moderno de uso da flauta transversal, a banda de rock progressivo chamado Jehtro Tull, se quiser da uma conferida neles, muito bom o blog e o vlog, vou favoritar aqui.

    ResponderExcluir
  7. Ótimo artigo! Parabéns pelo blog e a iniciativa.
    Sucesso!

    ResponderExcluir
  8. anonimo adorei saber tudo isso sobre flautas

    ResponderExcluir
  9. Muitos parabéns!
    Ajudou-me a realizar o meu trabalho de flauta!

    ResponderExcluir
  10. Material muito excelente!! Mas notei um certo desconhecimento em relação aos mecanismos da flauta (por exemplo, existem com pé em Si e em Dó), e uma troca em relação aos materiais de construção: Na verdade, a flauta de ouro tem som mais brilhante, enquanto a prata confere ma tonalidade mais "escura", isso com certeza tem diferença......

    ResponderExcluir
  11. Adorei, eu sou aluna de flauta transversal e é muito bom o conteúdo do teu blog. Vai de encontro ao que eu buscava. abraços

    ResponderExcluir
  12. Poucos falam que a Flauta é instrumento muito problemático e de difícil e custosa manutenção devido principalmente às suas sapatilhas que vazam constantemente deixando o músico em desespero

    ResponderExcluir
  13. Simplesmente maravilhoso o material!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns,John, pelo rico e informativo artigo! Eu acrescentaria um vídeo com nosso genial Hermeto Pascoal tocando flauta,um exemplo mais do que merecido da música brasileira e de uma de seus maiores expressões!Hermeto aplica todas as técnicas que vc citou,e ainda interpreta magistralmente a melodia!
    Outra coisa seria sobre o material que hoje são usados para fabricação da Flauta: as de fusões de metal são muito caras, e conferem sons profundos e claríssimos! Os bocais podem ser comprados separadamente ( há um mercado específico com vários tipos de especificações, feitos à mão, de madeira ou de prata, ouro, platina com prata, tubo dublo...),e fazem MUITA diferença na qualidade do som produzido nele.As flautas alemãs e as japonesas entre as mais caras e cobiçadas por músicos profissionais.
    Certamente vou indicar seu blog e este artigo, em especial, aos meus alunos! Desejo muito sucesso e música pra você!

    ResponderExcluir
  15. Parabéns,John, pelo rico e informativo artigo! Eu acrescentaria um vídeo com nosso genial Hermeto Pascoal tocando flauta,um exemplo mais do que merecido da música brasileira e de uma de seus maiores expressões!Hermeto aplica todas as técnicas que vc citou,e ainda interpreta magistralmente a melodia!
    Outra coisa seria sobre o material que hoje são usados para fabricação da Flauta: as de fusões de metal são muito caras, e conferem sons profundos e claríssimos! Os bocais podem ser comprados separadamente ( há um mercado específico com vários tipos de especificações, feitos à mão, de madeira ou de prata, ouro, platina com prata, tubo dublo...),e fazem MUITA diferença na qualidade do som produzido nele.As flautas alemãs e as japonesas entre as mais caras e cobiçadas por músicos profissionais.
    Certamente vou indicar seu blog e este artigo, em especial, aos meus alunos! Desejo muito sucesso e música pra você!

    ResponderExcluir
  16. Parabéns,John, pelo rico e informativo artigo! Eu acrescentaria um vídeo com nosso genial Hermeto Pascoal tocando flauta,um exemplo mais do que merecido da música brasileira e de uma de seus maiores expressões!Hermeto aplica todas as técnicas que vc citou,e ainda interpreta magistralmente a melodia!
    Outra coisa seria sobre os materiais que hoje são usados para fabricação da Flauta: as de fusões de metal são muito caras, e conferem sons profundos e claríssimos! Os bocais podem ser comprados separadamente ( há um mercado específico com vários tipos de especificações, feitos à mão, de madeira ou de prata, ouro, platina com prata, tubo dublo...),e fazem MUITA diferença na qualidade do som produzido nele.As flautas alemãs e as japonesas estão entre as mais caras e cobiçadas por músicos profissionais.
    Certamente vou indicar seu blog e este artigo, em especial, aos meus alunos! Desejo muito sucesso e música pra você!

    ResponderExcluir
  17. Parabéns,John, pelo rico e informativo artigo! Eu acrescentaria um vídeo com nosso genial Hermeto Pascoal tocando flauta,um exemplo mais do que merecido da música brasileira e de uma de seus maiores expressões!Hermeto aplica todas as técnicas que vc citou,e ainda interpreta magistralmente a melodia!
    Outra coisa seria sobre os materiais que hoje são usados para fabricação da Flauta: as de fusões de metal são muito caras, e conferem sons profundos e claríssimos! Os bocais podem ser comprados separadamente ( há um mercado específico com vários tipos de especificações, feitos à mão, de madeira ou de prata, ouro, platina com prata, tubo dublo...),e fazem MUITA diferença na qualidade do som produzido nele.As flautas alemãs e as japonesas estão entre as mais caras e cobiçadas por músicos profissionais.
    Certamente vou indicar seu blog e este artigo, em especial, aos meus alunos! Desejo muito sucesso e música pra você!

    ResponderExcluir